• Instagram

    Fraldas noturnas, todas juntas! Fraldas noturnas! Fantoches #puppets Fantoches #puppets Fraldas noturnas #fraldaecologica  #fraldadepano  #fraldabonita Fraldas noturnas  #fraldaecologica  #fraldadepano  #fraldabonita
  • Quantas fraldas o Brasil descarta?

    Apenas 27% das crianças de 0-30 meses usam fraldas descartáveis, mesmo assim são descartadas:
    - 204 fraldas por segundo
    - 12. 240 fraldas por minuto
    - 734.400 fraldas por hora
    - 17.625.600 fraldas/DIA
  • 5500 fraldas DESCARTÁVEIS x 40 fraldas de PANO, é viável?

    Minha intenção com este blog é divulgar informações, dados, estatísticas a respeito do uso de fraldas. Quais são os impactos do uso de fraldas descartáveis? Quais são as desvantagens do uso de fraldas de pano? Viabilidade, sustentabilidade, impacto ambiental. O que pesa mais? Um lixão sobrecarregado de fraldas a céu aberto ou um sistema de águas sobrecarregado de água, sabão e dejetos fecais?
  • Twitter

A História da Fralda Descartável

 A invenção…

A necessidade de uma fralda para bebê é tão antiga quanto a história da própria humanidade. Existem algumas informações (Egípcios, Astecas e Romanos) que falam sobre as roupas utilizadas na antiguidade, desde o uso de folhas e peles de animais. Tudo isso aconteceu, porque o homem sente necessidades e busca satisfazê-las. Isso é uma das provas que nos distinguem dos outros animais.

 

Os problemas com as assaduras nos bebês nos acompanham ao longo dos séculos. No início, as fraldas frescas eram usadas por vários dias. Na época dos pioneiros do oeste americano, as fraldas molhadas raramente eram lavadas, apenas eram secadas em chaminés para depois serem utilizadas novamente. Os esquimós do Alaska usavam peles de animais recheadas de musgo. Os nativos americanos usavam peles de coelhos recheadas com pasto/capim. Os Armênios usavam um pano recheado com uma areia fina.

Tudo evoluiu quando se passou a estudar e entender as bactérias, os vírus e os fungos. Se não podiam eliminá-los, pelo menos, já era possível controlá-los. No início do século XX, as mães começaram a usar água fervida para lavar as fraldas.

Durante a 2ª guerra mundial, os países desenvolvidos requisitaram os serviços das mulheres para prover munições e artigos de guerra, então, surgiu o serviço de “lavagem de fraldas”, assim as mães podiam receber suas fraldas fresquinhas após um longo dia de trabalho fabricando aviões e tanques de guerra.

A invenção da fralda descartável, assim como muitos outros inventos, não foi possível atribuir a uma única pessoa, pois foi o resultado de um somatório de pequenas melhorias.

Em meados dos anos 40, em função da escassez do algodão provocada pela guerra, foi lançada na Suécia a primeira fralda descartável no mundo. Também, nesta mesma época, nos EUA, uma ama de casa de Westpot chamada Marion Donovan inventou uma capa impermeável para proteger a fralda da saída de líquidos. Esta capa era feita dos restos de cortinas de banheiro e no seu interior se colocava a fralda convencional (de pano).

A evolução…

Sra. Marion recebeu 04 patentes como resultado de seus desenhos, entre outros, o uso de clips de plástico para fixação das fraldas. Em 1947, George M. Schroder, foi contratado pela empresa Cia Henry Frede & Co. pra criar a primeira fralda descartável e usar telas não tecidas.

A fralda descartável nos anos 50 era um artigo luxuoso e somente usada em ocasiões especiais, como viagens e visitas ao médico. A primeira fralda industrializada, foi fabricada usando-se um desenho retangular e em seu núcleo eram colocadas várias camadas de papel tissue de 15 a 25 folhas e eram envolvidas por uma película plástica.

Nos anos 50, praticamente permaneceu sem mudanças, porém seu alto custo não permitia atingir a maioria da população, além do mais, sua distribuição estava limitada a poucos países. Nesta mesma época, os absorventes deram um salto muito grande no mercado.

No final da década de 50 foi que Vic Mills, que trabalhava para a P & G, pensando no conforto de seu neto, reestilizou/reformulou o desenho e deu o nome de PAMPERS (1.959). (mimar, aconchegar…)

Nos anos 60 a fralda se desenvolveu bastante, pois a indústria aprendeu com as necessidades das mães. Em 1.961 foi introduzida maciçamente no mercado americano e teve êxito moderado, pois havia um ponto negativo; sua desvantagem era a falta de fitas adesivas próprias, porque a todo momento da troca, as mães tinham que ter um rolo de fita crepe em mãos (grande incômodo).

Nos anos 60 foi substituído o recheio de papel tissue por fibras de celulose e com isso as fraldas apresentaram uma grande melhoria no desempenho. As fraldas eram grossas, pois tinham que evitar o vazamento ( 8 a 10% vazavam). O tamanho médio pesavam, no mínimo umas 65g cada e uma máquina corria no máximo 100pçs/min.

Nos anos 70 houve uma grande explosão, além da P & G, também entraram neste mercado a KC e J & J. A partir daí os preços começaram a cair para os consumidores. No início desta década a J & J lançou no mercado as fraldas com fitas adesivas laterais já incorporadas. A demanda mundial excedeu a capacidade produtiva por muitos anos e a taxa de penetração cresceu muito nos EUA, Europa, Japão e também a América Latina não ficou para trás.
Nesta época apareceram as dobras (Z, W, C, etc…), o adesivo frio foi substituido pelo hot melt (aumento de velocidade das linhas), diferentes tamanhos, capacidade de absorvência, uso noturno, etc…

A velocidade das máquinas já atingia umas 250/min. No final de 70 apareceram os elásticos laterais, apareceram os pediatras combatendo o uso das fraldas, pois eram espessas e podiam deformar os ossos das pernas. A taxa de vazamento caiu para 5%.

Nos anos 80, com os elásticos, foi possível alterar a anatomia das fraldas, pois nas laterais e na cintura já dispunham desse recurso ajustável. Houve movimentos dos ecologistas combatendo as fraldas e então já se falava em plásticos biodegradáveis. Isso foi muito evidenciado na Europa e no Canadá e com menos intensidade nos EUA e América Latina.

Descoberta do SAP (Gel): A taxa de vazamento caiu para aprox. 2%, reduziu-se a espessura; reduziu-se o peso de até 50% e aumentou-se muito o desempenho/absorvência; reduziu-se o consumo das embalagens (ecológico) e o problemas das assaduras desapareceram. Cada 1grama de gel, reduzia 4 de celulose. No Japão já se falava em filme respirável.

Nos anos 90 apareceram novas características agregando conforto, tais como: Telas SMS(Maciez e resistência); Clothlike; Barreiras fecais; Fitas laterais com fechamento mecânico “velcro”; Aloe vera; Indicadores de umidade; Protetores contra germes; Fitas frontal florescentes, etc. Nos EUA, Japão e Europa Ocidental a taxa de penetração chega a mais de 95%. Na América Latina há muitas variações de 15 a 75%. No final, a média das máquinas estavam em 300 pçs/min, embora os grandes fabricantes já falassem em 800 pçs/min.

Ilustração de uma fralda

Fonte pesquisada: Macrossul

 

About these ads

4 Respostas

  1. interessante

  2. Gostaria de saber mais sobre a historia da evolução das fraldas descartáveis tem alguma literatura ou contatos com pesquisadores que possam me orientar nessa pesquisa o material aqui apresentado é fantástico

  3. Ivan, obrigada pelo seu contato! Tudo que publiquei encontrei na net, pesquisando através do google e semelhantes. Não tenho uma literatura específica para te indicar, existem muitos sites bons, principalmente na Inglaterra :-)

  4. Obrigado Bettina pela orientação.
    No texto vc colaca como fonte macrossul. O que vem a ser isso o link não abre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.066 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: