• Instagram

    Houve um erro ao recuperar imagens do Instagram. Uma tentativa será refeita em poucos minutos.

  • Quantas fraldas o Brasil descarta?

    Apenas 27% das crianças de 0-30 meses usam fraldas descartáveis, mesmo assim são descartadas:
    - 204 fraldas por segundo
    - 12. 240 fraldas por minuto
    - 734.400 fraldas por hora
    - 17.625.600 fraldas/DIA
  • Trocar 5500 fraldas DESCARTÁVEIS x 40 fraldas de PANO, é viável?

    Minha intenção com este blog é divulgar informações, dados, estatísticas a respeito do uso de fraldas. Quais são os impactos do uso de fraldas descartáveis? Quais são as desvantagens do uso de fraldas de pano? Viabilidade, sustentabilidade, impacto ambiental. O que pesa mais? Um lixão sobrecarregado de fraldas a céu aberto ou um sistema de águas sobrecarregado de água, sabão e dejetos fecais?

Sabão Crá Crá, que faz minha fralda vazar!!

Há muito tempo insisto na questão do sabão, tanto que até eu mesma já me acho uma chata no assunto. Lá vem ela de novo, falando de sabão, que coisa…

Jogue um pouquinho de água na superfície do absrovente da fralda, ela entra de imediato ou ela samba, empoça, pensa na vida e entra na fibra? Se a sua resposta foi ela entra de imediato na fibra, bingo, seus absorventes estão ótimos!! Agora se a água pensa na vida primeiro, então, minha cara, o sabão venceu a batalha. Ele impermeabilizou os absorventes. Mas fique tranqüila, quem vence uma batalha não vence a guerra, não é mesmo? Quando é água tudo bem, mas o problema é o Sr Xixi que não entra no absrovente e escorre pelas laterais, oppppps.

O sabão tem uma tendência astronômica de deixar resíduo nos tecidos, e não é só nas fraldas não, é em todas as roupas que passam por ele na máquina, no tanquinho, na esfregação do tanque, naquele esfregadela básica onde a gente pega uma barra de sabão e tum na mancha? Também… Fala sério, é uma tentação, vai que resolve…

Desde que entrei nesse mundinho das fraldas, percebi o horror de sabão que usamos desnecessariamente. Hoje em dia, para uma máquina de 8kg, eu uso de uma a duas tampinhas de refrigerante de sabão líquido. Geralmente Ariel ou Omo. Uma tampinha, só isso?? E resolve?? Sim, resolve. Todo mundo anda limpinho, a roupa não tem mancha, ta cheirosa, macia, não fica mais dura no varal e assim temos seguido nosso caminho á diante. E roupa de cama?? Coloca 1/2 copinho de vinagre (daqueles de 200ml), no último enxágüe, fica delícia e não tem cheiro de salada, garanto!

Bom, voltando ao início, o absorvente não absorve, ele está impregnado de sabão. Fato consumado e triste! O que fazer? Lavar – lavar – lavar- lavar – lavar – sem sabão, pelo amor de Deus. Querendo ferver, pode e ajuda. Pegue uma panela grande, encha de água, coloque no fogão para ferver e jogue-os todos para dentro, não os deixe ferver durantes horas e sim durante MI-NU-TOS, alguns, no máximo 10. Verás que sobe uma borra ensaboada. As vezes é necessário repetir o processo algumas vezes, tudo depende de quanto sabão foi colocado inicialmente, ok? Não tem milagre, mas tem solução!!

Então cuidado com o sabão, ele é um tremendo vilão no nosso mundo de fraldas!! E lembrando que, uma fralda manchada não é uma fralda suja, ou será que todos os seus panos de prato são alvíssimos? As manchas também saem com o tempo!

E digo mais, uma fralda com resíduo de sabão ganha disparado na categoria: favorecer assaduras e vermelhidões, então, o cuidado não é exagerado, é justo!

 

Compras Coletivas: estamos na Colméia Materna

As compras coletivas estão “in” e nós estamos por lá também!  Oferta de pacote com 2 fraldas + 2 absorventes, espia lá!

http://www.colmeiamaterna.com.br/index.asp?ideOk=S&i=62946E

Organizando os tipos de absorventes

A muito tempo quero organizar melhor, com os diversos tipos, com fotos, com medidas, os absorventes que confeccionamos.

No início incluíamos os absorventes junto às fraldas, mas logo percebemos que não fazia sentido, pois na segunda compra, assim que a criança crescia, a mãe não precisava comprá-los novamente, pois ela ainda poderia usar os iniciais. E o que era uma boa intenção inicialmente, tornou-se uma venda casada desnecessária. Pouco tempo depois as opções de absorventes aumentaram, conforme os feedbacks que recebíamos das clientes. Seja em termos de materiais, de tamanho, de camadas, etc. Há cerca de 1 ano estabelecemos o formato e a quantidade de camadas que oferecemos hoje, levando em conta o tipo de material x tempo de secagem necessário. De nada adiantava fazer um mega-blaster-hiper absorvente, que levasse dias a secar quando estendido no varal na sombra.

Atualmente a página mais completa sobre absorventes está aqui http://www.babyslings.com.br/absorventes.htm e falta ainda atualizar o www.fraldabonita.com.br

 ABSORVENTES: São faixas de tecido, compradas avulsas, usadas junto com nossos modelos de fralda. Há um ano aproximadamente passaram a ser fornecidos AVULSOS, pois aumentamos a variedade em função dos materiais absorventes encontrados no mercado. Confeccionados com 3 camadas, formato 23 x 33cm mínimo, deverão ser dobrados ao meio, formando um retângulo com 6 camadas. Podem ser usados por dentro da fralda (inseridas como recheio) ou simplismente por cima da fralda, entre a fralda e o bebê. Repare nas fotos abaixo, que o comprimento varia em +/- 2cm, em função da largura dos tecidos utilizados, então esse tamanho de 23×33 é o tamanho mínimo, você poderá recebê-los um tiquinho maiores. Todo esse material está sujeito à encolhimento e é considerado normal.

TODOS têm 3 camadas, são arrematados com overlok, têm formato retangular de 33 x 23cm no mínimo.

Atenção1)- o básico plus é um absorvente com uma camada de malha, especial para as alergias, assaduras, justamente pela maciez do tecido em si. Mas é uma camada que ficará molhada, pois o algodão, ensopa.

Atenção 2)- o soft promove uma cobertura sempre seca, deixando a pele do bebê mais sequinha, mas em caso de dermatites atópicas (especificamente) peça orientação ao seu pediatra, pois o soft é um material sintético.

Nossa lojinha virtual fica aqui: http://babyslings.megaweb.com.br

Tipos de absorventes oferecidos:

-simples = 100% fralda de algodão, 3 fraldas = R$3,00

-básico = 100% flanela de algodão, 3 flanelas = R$4,00

-básico plus = 2 flanelas + 1 malha = R$4,40

-enxuto = 2 flanelas + 1 soft por cima, parte superior, o soft promove uma sensação de sempre seca, pois ele não absorve líquido em si = R$6,00

-microfibra I = 2 flanelas + 1 microfibra = R$8,00

-microfibra II = 1 flanela + 2 microfibras + 1 soft = R$12,00

-microfibra III = MENOR deles, 4 microfibras + 1 soft + 1 flanela, tamanho 11x29cm = R$10,00

Todos estes tipos de absorventes estão à disposição na lojinha, http://babyslings.megaweb.com.br mas você pode montá-los com materiais que tem em casa também. Podem ser usadas fraldas brancas, dessas que ganhamos aos montes no enxoval da criança, toalhinhas de lavabo, flanelas, toalhas velhas que enxugam bem, geralmente avós e sogras sempre tem algumas que querem descartar, enfim, qq material absorvente pode ser recortado (tens que fazer algum tipo de acabamento/baínha se não desfiam total) no formato adequado e utilizado.

Amanhã volto para falar sobre microfibra!!

Bom resto de domingo para todos!! 

Lencinhos de malha para limpeza do bebê!

Vi a idéia num site e achei muito bacana e sensato. Aproveitamento de camisetas velhas, cortadas em lenços, para a limpeza do bebê, a serem usados no lugar dos lencinhos umidecidos. Veja, quem não tem camiseta velha em casa? E sempre se encontra alguém que possa fazer uma bainha para que eles não se desfaçam rapidamente. Não é uma idéia legal? Tem coisa mais macia do que camiseta velhinha?

Lenços de malha de algodão, com ~20 cm de comprimento, 2 faces em malha.

Daí aproveitando a idéia resolvemos apresentar nossa versão, um pouco mais acabada, de malha 100% algodão, mas novíssima, sem uso algum, claro! Lenços de limpeza, com aproximadamente 20cm de comprimento, formato ovalado.

Apresentação: 2 possibilidades…
Embalagens com 10 unidades – R$15,00
Embalagens com 30 unidades, nesse caso, grátis uma bolsinha de fralda suja. -R$45,00
http://babyslings.megaweb.com.br/index.php?act=viewCat&catId=29

 

Lenços de malha para limpeza do bebê!

Mães modernas, sem tempo, que trabalham e usam sim, fraldas de pano!

Bebê + fralda de pano

Bebê + fralda de pano

http://www.segredosdemamae.com/Segredos_de_Mam%C3%A3e/Nossas_Expri%C3%AAncias/Entradas/2009/8/18_Fralda_de_Pano.html

Fralda de Pano

São super charmosas!!! Modernas! Econômicas! e o mais importante: ECOLÓGICAS!

Há algum tempo já venho ouvindo comentários contra as fraldas de pano, por serem mais trabalhosas! é verdade, elas exigem um cuidado que não precisamos ter com as descartáveis. Mas fico me perguntando, à quanto tempo o uso da fralda descartável foi difundido…

Como faziam nossas mães?

Imaginem então nossas avós??? que ainda tinham um monte de filhos para tomar conta? e sem máquina de lavar??? como sobreviveram???

Mas sim!!! Elas sobreviveram!

Sei que o nosso tempo é corrido, mas sei também que podemos contar com a tecnologia ao nosso favor!

As Fraldas de Pano modernas não vazam, são práticas e LINDAS! Mas infelizmente ainda são muito pouco divulgadas! Eu mesma só fui descobri-las depois de ter comprado centenas das descartáveis!

Os novos modelos contam com várias camadas de tecidos diferentes para garantir uma boa absorção; Fechamento em velcro para que o ajuste seja perfeito; diversas estampas; e ainda modelos que crescem com o bebê (fraldas que podem ser ajustadas do tam P ao G).

Fico me questionando: como hoje podemos achar um absurdo usar fraldas de pano? alguém pensa em jogar os pratos e copos de vidro fora e passar a usar apenas os descartáveis? Só para não ter que lava-los? E porque não aceitamos as fraldas de pano? Por puro preconceito!

Guerra das Fraldas

Um criança usa em média 5500 fraldas descartáveis nos primeiros dois anos de vida! Fraldas estas que demoram cerca 450 anos para se reintegrarem ao meio ambiente, sendo o terceiro item mais popular no lixões, as fraldas descartáveis são responsáveis por 2% do lixo doméstico. Estima-se que o gasto com fralda descartáveis chegue aos R$5000,00. Além de tudo isso, para as fraldas permanecerem sempre sequinhas, utiliza-se o FLOC GEL (Poliacrilato de Sódio seco) que nada mais é do que um pó com alta capacidade de absorção (cerca de 800 vezes o peso dele em água). Este pó chega ser tão absorvente que absorve até mesmo a humidade natural da pele sensível do bebê, gerando por sua vez uma série de alergias e assaduras. É verdade que a capacidade da absorção da fralda descartável é superior a de pano, porém depois que o bebê faz xixi, ela não deixa de estar suja não é mesmo? ou seja o bebê está sentado num bolo de xixi xom a sensação de estar seeuinho!

As fraldas de pano por serem reutilizáveis, o investimento é maior no começo, mas nos fim das contas é muito menor, podendo até mesmo ser aproveitada para outros bebês! A fralda pano permite que a pele do bebê respire melhor, prevenindo contra assaduras e diminuem a possibilidade de alergia.

Outro beneficio da fralda de pano é o aprendizado do uso do pinico, com a fralda pano, o bebê tem mais consciência do próprio corpo, pois aprende a diferença de quando está seco e molhado, o que na hora de trocar as fraldas pelo piniquinho fazem grande diferença!

Mas mesmo sabendo de tudo isso, já descartamos a idéia de usa-las, só imaginando o trabalham de lava-las: Que tal então falarmos de como pode ser simples esta árdua tarefa?

Sim! Elas podem ir na máquina de lavar e de secar também!

Lavando a mão: como nem sempre podemos lavar no mesmo instante, basta deixar um balde com água e sabão de coco e ir juntando as fraldas.

podendo permanecer até dois dias de molho, não esquecendo de mexer de vez em quando ou adcionar um pouquinho de vinagre.

Quando tiver um tempinho, é só esfregar um pouquinho enxaguar bastante.

Não utilizar amaciante, pois eles diminuem a absorção da fralda.

No lugar do amaciante, pode-se adcionar vinagre branco no último enxague que ajuda a não deixar cheiros e as deixa bem macias. Depois é só coloca-las para secar. Quem tem secadora pode usar e abusar

O melhor de tudo!!! Não precisa passar!!! já está mais do que comprovado cientificamente que o ferro não adianta nada! apenas as deixa bonitinhas

Quanto mais o tecido da fralda é passado, menos ele absorve o xixi!

No caso de fraldas com cocô, se retira o grosso e dá uma esfregadinha antes de coloca-las no molho.

De preferência coloca-las de molho separadas das de xixi.

O bicarbonato de sódio é ótimo para retirar manchas!

Guardar as fraldas já montadas é uma ótima dica para facilitar na hora da troca!

Não estou dizendo para não usar a fralda descartável nunca mais, uma boa idéia é usa-las nos passeios, viagens e a noite. E no mais, cuidar do futuro do nosso planeta!!! Afinal de contas, temos um bebêzinho que precisará muito dele!

Berço Verde, revista Vida Simples – edição Setembro 2009

Onde encontrar as fraldinhas?

Dicas de sustentabilidade que podem durar desde os primeiros meses de vida até a vida toda

 

texto Mariana Lacerda fotos Eduardo Delfim

Em 1995 um dos maiores historiadores da atualidade publicou um tratado assustador sobre o século 20. Em seu livro Era dos Extremos, o britânico Eric Hobsbawm analisa toda a história dos últimos 100 anos. As guerras, os entraves raciais e religiosos, o crescimento das metrópoles e da economia mundial, tudo isso em detrimento da vida humana. “O velho século não acabou bem”, escreve. Pois logo no início do século seguinte o mundo passou a assistir a uma de suas maiores crises econômicas. O modelo capitalista, que em resumo diz que, quanto mais se acumular dinheiro, melhor, não funciona mais. A menina Isadora nasceu no dia 11 de fevereiro de 2009 no meio dessa confusão. E o que ela tem a ver com isso?

Tudo. Ela é a herdeirazinha deste mundo que construímos. E, apesar da pouca idade, é Isadora quem definitivamente abriu os olhos da mãe, que assina este texto, para desejar cuidar do que constitui o mundo dela: seu pai, suas bisavós e avós, primos, a sua casa, o seu bairro, a cidade em que vive. Foi assustada pela leitura de Hobsbawm e observando o mundo de Isadora que comecei a elaborar a pauta que deu origem a esta matéria. A troca de fraldas, apesar de ser um ato mais do que trivial na vida de uma mãe, também foi um fator imprescindível para pensar no assunto que vem a seguir.

Este é o Ted, o ursinho da prima Irene, que está passando férias na casa de Isadora
Lindas estas pantufinhas, não é? Presente de Pedro, o irmãozinho paulista
A cadeirinha veio do priminho carioca Chico. Grandão, Chico usou pouco o presente que ganhou do pai, Felipe
O macacãozinho também veio do primo Chico. Depois do dia em que foi feita esta foto, já não cabia mais em Isadora. Novo dono: Vicente, que acabou de nascer no Recife
Fralda é lixo Sim, fralda descartável é uma invenção bem prática, mas um horror para o planeta. Uma criança, em seus dois primeiros anos, utiliza em média 5,5 mil fraldas descartáveis – que custam à natureza cerca de cinco árvores. Uma fralda demora 450 anos nos lixões para se decompor. Para ter uma ideia, a cidade de São Paulo recolhe cerca de 13 mil toneladas de lixo todos os dias. Cerca de 230 toneladas são constituídas de fraldas descartáveis (2% do lixo é constituído de fralda descartável). Os números foram coletados pela engenheira química Bettina Lauterbach, do Rio Grande do Sul. Mãe de duas filhas, é uma das maiores ativistas do Brasil pelo retorno das fraldas de pano.

Graças ao trabalho de gente como Bettina, as fraldas de pano evoluíram. Elas se tornaram práticas, ajustáveis ao corpo do nenê. Bettina, que pesquisa tecnologias para a fabricação das fraldinhas e também as comercializa, conta que as maiores inimigas em seu negócio são as avós, que sempre tentam convencer as mães que entram em sua loja a sair dali imediatamente. Ela explica que aquelas que criaram bebês até meados da década de 1970 ainda têm na memória a pilha acumulada de panos no fim do dia. “Mas deve-se levar em consideração que as fraldas estão diferentes e o acesso às máquinas de lavar também melhorou”, diz.

Você pode até achar que também não é lá muito econômico para a natureza gastar água com a lavagem de panos. Mas hoje o problema do lixo nas metrópoles é muito mais alarmante do que a escassez de água. Tanto que países como Bélgica e Inglaterra incentivam – inclusive com dinheiro – os pais a optar pelo uso de fraldas de pano.

Faça um teste: pergunte a sua avó ou mãe se no tempo dela as crianças deixavam a de usar fraldas mais cedo do que aquelas de hoje, o que acontece por volta dos 3 anos de idade. É provável que, puxando pela memória, ela responda que sim. É que, naquela época, os pequenos se sentiam incomodados por estarem sempre molhados, coisa que não acontece com a fralda descartável, pois a tecnologia usada para absorver o xixi o deixa longe da pele do bebê até a troca. É verdade que não é fácil para pessoas como eu, que se acostumaram a usar fralda descartável na Isadora, se adaptar à de pano. Mas vale o teste. O trabalho cresce um pouquinho, sem dúvida, mas as vantagens ambientais são recompensadoras.

Consumo no berço Em seu livro Por uma Outra Globalização, Milton Santos, um dos mais importantes sociólogos brasileiros, conta como antes a economia se baseava na geração de bens que atendiam às necessidades de consumidores. “Atualmente, as empresas produzem o consumidor antes mesmo de produzir os produtos”, escreve.

Ou seja, somos bombardeados por ofertas de coisas de que não precisamos, mas tentam nos convencer de que nossa vida será melhor com elas. O mundo da maternidade é um exemplo disso. “Porque atinge o consumidor num momento em que, fragilizado pela chegada de um filho ou neto, tudo o que ele deseja é encontrar e oferecerlhe o melhor”, diz a advogada pernambucana Rebeca Duarte, que trabalha na organização não-governamental Observatório Negro e ministra palestras com mães de baixa renda a respeito da maternidade e do consumo.

As fraldinhas de pano substituem as descartáveis. Com estampas modernas, o xixi fica retido no refil de pano lavável
Arte feita pelos primos para a chegada da mais nova integrante
A antiga cômoda da mãe foi adaptada para servir de trocador para a filha
Este é o único móvel novo no quarto de Isadora. O motivo: os os berços da família estão ocupados

Nessa fase em que pais e mães estão suscetíveis, são ofertadas coisas não raro desnecessárias para o cuidado do bebê, a exemplo de carrinhos modernos. Enquanto uma faixa de pano envolvendo mãe e bebê (conhecidos como slings), como fazem os índios brasileiros, pode ser suficiente para sustentar com segurança o filhote no colo da mãe. Esse é, inclusive, o lugar onde o bebê pode sentir o mesmo calor e bater do coração de quando ainda estava na barriga, ganhando assim segurança para conhecer a vida que lhe espera. Motivo pelo qual, vale dizer, os autores do livro O Bebê – O Primeiro Ano da Vida do Seu Filho, uma espécie de bíblia sobre o desenvolvimento infantil, sejam categóricos em afirmar que as crianças mantidas no colo se desenvolvem com mais rapidez.

Rebeca Duarte, mãe de uma filha, se lembra ainda da doutrina das roupas azuis para meninos e rosa para as meninas: uma convenção puramente comercial. “Por que existe isso?”, pergunta. A despeito do rosa e do azul, nada mais simpático do que herdar roupinhas que foram usadas por primos e primas mais velhos: os macacões de Chico, o primo carioca, hoje são usados por Isadora e logo serão enviados para Vicente, o recifense recémchegado. Ou ainda as roupinhas de Irene, que, de São Paulo, foram enviadas para Olinda para que a prima Érica pudesse usufruir delas. E que meses depois voltaram para que então Isadora fosse brincar com Irene, hoje com 4 anos. Construindo-se no ato da troca, as relações de amizade e solidariedade, de estímulo à lembrança do outro e ainda o cuidado com as coisas usadas ao máximo antes do descarte. Às vezes, até passando gerações, levando consigo tantos significados, como é o caso do vestido que um dia Isadora usará em seu batizado e que vestiu a sua avó Sônia quando ela saiu nos braços da mãe dela (a bisa Anna) da maternidade.

Estar em rede Se no meio da correria que é cuidar de um nenê está difícil pensar nos aspectos que envolvem a sustentabilidade, tudo bem, nada mais do que compreensível. Mas uma dica importante: junte-se a quem, como você, está experimentando a maternidade – o que acaba acontecendo naturalmente. Isso significa estar em rede. Pode ser uma rede de amigas mães ou mesmo aquelas mantidas por organizações não-governamentais, como o Grupo de Apoio à Maternidade Ativa, em São Paulo, ou o Grupo Boa Hora, no Recife. Em comum, esses grupos existem para a discussão das experiências de parto. Mas seus participantes terminam por trocar experiências sobre o primeiro ano do bebê. Entram no rol de discussões uso de medicamentos, aleitamento materno, alimentação orgânica e também o troca-troca de roupinhas.

O dia a dia A escolha do que vestir, alimentação, opções ecológicas na hora da compra de brinquedo ou mesmo na organização das festinhas de aniversário. Tudo isso faz parte da tentativa de criar de forma mais sustentável um bebê. “Acho importante ser seletivo e procurar ‘influenciar’ nossos filhos com esse tipo de postura porque, além de fazer bem, existe uma filosofia por trás com a qual simpatizo. Mas que seja sem radicalismo”, diz a publicitária Ilka Porto, mãe de Antônio, amigo de Isadora.

É isso mesmo. Porque criar um bebê é construir o cotidiano. Que, por sua vez, “é uma história a meio caminho de nós mesmos. É o mundo que amamos profundamente, memória olfativa, memória dos lugares da infância, memória do corpo, dos gestos da infância, dos prazeres”, escreveu o filósofo francês Michel de Certau, em seu livro A Invenção do Cotidiano. Daí a importância de ajudar nossos filhos a construírem modos de vida saudáveis desde a mais tenra idade. Para que no futuro eles possam escolher a sua postura de vida face ao mundo.

 

Berço verde

 

De repente… assim de repente…

Depois de 2 anos de trabalho de formiguinha, a mídia começa a nos dar atenção, saímos do buraco negro para o palco iluminado, somos a 1ª empresa brasileira a fabricar fraldas de pano “mudernas”.

Hei, você aí que nos acompanha, camarada velha de guerra, teus filhos já saíram das nossas fraldas … você se espantou também?  Pois é!!!

Depois de 2 anos posso dizer que tenho uma sensação de dever cumprido, por ter iniciado um processo no qual fui chamada de louca, em telefonemas interurbanos… pessoas me ligavam para perguntar se eu não tinha nada melhor para fazer na vida, “quem”  eu achava que  iria comprar nossos produtos?. Como eu lia nos livros infantis, “audácia da pilombeta”. Dá licença que tenho mais o que fazer 🙂

Cá estamos nós, remando, remando, na direção certa. Heróicos e bravos clientes que têm coragem de assumir publicamente na nossa sociedade consumista & feliz que seus filhos vão usar fraldas de pano, eu só posso agradecer publicamente.

Hoje,  depois de quase 3000  fraldas vendidas, com a melhor propaganda do mundo, que é a boca a boca,  já temos  as fraldas ORIGINAIS, as fraldas PLUS  e nosso novo modelo, a WINDY. Conseguimos manter 2 sites atualizados e uma lojinha virtual, seguem os links, lá vocês, que estão passeando pela primeira vez por aqui,  sejam bem vindos, lá terão muita informação de fácil assimilação e grande conteúdo. Viva!

Link da reportagem no canal F do Fantástico: http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1038026-7823-MAES+TROCAM+FRALDAS+DESCARTAVEIS+POR+FRALDAS+DE+PANO,00.html

Fralda Bonita = www.fraldabonita.com.br

Babyslings = www.babyslings.com.br

Lojinha virtual = http://babyslings.megaweb.com.br

Se você olhar ali em cima, nas páginas, verás que tem uma página somente para os modelos, ok?

%d blogueiros gostam disto: