• Instagram

    Hortências prestes a explodir em flor... Fato! Existe um amor por dinossauros! Tantos bichos fofinhos por aí... Mas eles são sempre requisitados!! #tapetedeatividades #dinossauro #patchwork #ciadasmaos #dinossauros #patchaplique #handmade #artesanato E outubro foi o mês dos tapetes de atividade, entre miados e rugidos, chegamos ao fim dos bordados! #gatos#patchwork #tapetedeatividades #ciadasmaos #quilt #cats Faça sua encomenda inbox! Aí vc monta a árvore com toda paciência do mundo, colaborando precocemente com o espírito natalino da cidade. Entra uma figurinha de 5 anos +/- e puxa o braço da mãe, abismadissima pois aqui o natal é das galinhas ♥️♥️♥️🙃 Como não amar a sinceridade infantil?
#passarinhos #arvoredenatal #galinhas #natal #ciadasmaos #artesanato #handmade  Vendas pelo whatsapp! Gatos de fita, brinquedo sensorial! Vendas apenas pelo whatsapp 54981289627
#brinquedodepano #brinquedo #montessori #gatodefitas #ciadasmaos #artesanato #handmade #cats Anjinhas da guarda! Da alegria, do otimismo, dos sorrisos! 
#natal #natalluzgramado #ciadasmaos #artesanato #anjo Gataiada pronta para miar por aí!! #gato #brinquedo de pano #ciadasmaos Novidades por aqui, faltou o glitter!! #unicorn #unicornio #fantoches #fantochedefeltro #boneco #puppet #gramado #ciadasmaos #felicidade 33 passarinhos depois, várias sapecadas com cola quente nos dedos, eis que o ninho se enche de alegria!! Pra quê taaantos passarinhos? Eles vão para a Árvore de Natal! #artesanato
#arvoredenatal  #passarinhos #passarinho #natal #natalluzgramado #ciadasmaos
  • Quantas fraldas o Brasil descarta?

    Apenas 27% das crianças de 0-30 meses usam fraldas descartáveis, mesmo assim são descartadas:
    - 204 fraldas por segundo
    - 12. 240 fraldas por minuto
    - 734.400 fraldas por hora
    - 17.625.600 fraldas/DIA
  • Trocar 5500 fraldas DESCARTÁVEIS x 40 fraldas de PANO, é viável?

    Minha intenção com este blog é divulgar informações, dados, estatísticas a respeito do uso de fraldas. Quais são os impactos do uso de fraldas descartáveis? Quais são as desvantagens do uso de fraldas de pano? Viabilidade, sustentabilidade, impacto ambiental. O que pesa mais? Um lixão sobrecarregado de fraldas a céu aberto ou um sistema de águas sobrecarregado de água, sabão e dejetos fecais?

Calcinhas de treinamento, ou… cuecas!

Calcinhas de treinamento para o desfralde www.fraldabonita.com.br

Calcinhas de treinamento para o desfralde http://www.fraldabonita.com.br

Disponíveis na lojinha através do link

http://www.babyslings.megaweb.com.br/index.php?act=viewProd&productId=1858

A criança que usa fraldas de pano normalmente desfralda mais cedo, e aí vem a dúvida, como é que continua? Vai direto para a calcinha/cuequinha? E os acidentes de percurso, no sofá, tapete, no chão… Fica por isso mesmo, encara-se numa boa, assobiando? Para tudo tem jeito, não é mesmo?

Há algum tempo nós estamos fazendo calcinhas e cuequinhas para treinamento, em cotton, ribana ou plush. Dentro dela há um absorvente em formato de “8”, fixo por botões de pressão num suporte que sai do cós, possui 2 camadas de microfibra e 1 de malha, esta ficará em contato com a pele da criança.

Esse absorvente não vai salvar a pátria, mas!!  Vai evitar que os acidentes mais trágicos aconteçam no palco da sua sala 🙂

Grade de tamanho: 1ano / 2 anos / 3 anos.

Artigo: calcinha/cueca + 1 absorvente

Mateial: plush 75% algodão e 25% poliester

Formato: cuequinha ou calcinha, zorba ou curta.

Aonde? A partir de amanhã na loja virtual http://babyslings.megaweb.com.br

Por enquanto nestas duas estampas, mas aceitamos encomendas, faça uma pré-reserva pelo email info@fraldabonita.com.br combinado?

Anúncios

Guerra das Fraldas

Guerra das fraldas, por Regina Scharf

 Você passa a sua vida limitando o consumo de água e dando preferência a produtos orgânicos ou certificados. Até que tem o seu primeiro filho, e é batata: nem todo o engajamento do mundo faz com que você encare fraldas de pano.

 A comodidade das descartáveis – associada à pesada propaganda da indústria – explica porque elas dominam pelo menos 90% do mercado nos EUA, onde são comercializadas cerca de 20 bilhões de unidades anuais. O resultado: elas geram 3,5 milhões de toneladas de lixo anuais. As fraldas representam o terceiro resíduo sólido mais importante nos Estados Unidos, após jornais e embalagens de bebidas, mas estes últimos são freqüentemente recolhidos em separado e enviados para reciclagem.

 Por enquanto, a única empresa que diz reciclar fraldas na América do Norte é a canadense Smallplanet, que primeiro higieniza o material descartado – coletado em domicílio -, depois separa a celulose da porção plástica. A primeira pode ser convertida em papel de parede, solas de calçados e filtros para óleo. O plástico pode ser enviado para a produção de madeira sintéticae painéis decorativos. O serviço custa cerca de US$ 13 a cada quinzena.

 As pilhas de fraldas descartadas em aterros sanitários e lixões parecem não ter incomodado os coordenadores de uma pesquisa sobre o ciclo de vida do produto, divulgada no ano passado pela agência ambiental britânica. O estudo criou polêmica ao concluir que o impacto das descartáveis não era muito diferente do das fraldas de pano porque, em geral, estas seriam lavadas a temperaturas bastante altas em máquinas que não utilizam plena carga. Evidentemente, as fabricantes de descartáveis vibraram com o resultado do estudo.

 A pesquisa despertou ira entre inúmeros grupos ambientalistas que, dentre outras críticas, argumentaram que as máquinas de lavar mais modernas gastam muito menos do que o padrão considerado na pesquisa e que muita gente não passa fraldas a ferro, o que mudaria bastante
esta contabilidade. Por essas contas, os impactos das fraldas de pano sobre o clima seriam 24% menores aos indicados pela agência britânica.

 Para quem não engole a conclusão dessa pesquisa e consegue resistir às descartáveis, sobra, é claro, a opção das fraldas de pano. Nos Estados Unidos, é possível adquirir um sem-número de fraldas orgânicas, produzidas com algodão não-branqueado ou Cannabis, ou ainda as G-Diapers – versão biodegradável do absorvente feminino, que é encaixada numa calça especial. Depois de usada, ela é disposta em composteiras de adubo ou jogada no vaso sanitário, para que siga para o esgoto.
Segundo os seus fabricantes “as G-diapers não envolvem cloro elemental, perfume, cheiro, lixo ou culpa”. Só que são mais caras do que as já caras descartáveis. Também é possível contar com serviços especializados na lavagem de fraldas. A mãe deixa uma caixa com as fraldas de pano sujas do lado de fora da casa e a empresa a troca por outra com fraldas limpas.

 Mas um grupo de pais norte-americanos acredita que, melhor mesmo, é aboli-las de todo. Eles tentam libertar seus filhos das fraldas, sejam elas de que natureza for, já nas primeiras semanas de vida. O tema foi até reportagem do New York Times, no fim do ano passado. A maior promotora deste conceito, a canadense Ingrid Bauer, argumenta que milhões de crianças em países pobres jamais utilizaram este
tipo de proteção, e nem por isso sujam os saris ou batas de suas mães. A prática também traria o fim das assaduras, reforçaria a intimidade entre pais e filhos e representaria uma
economia significativa, já que cada criança consome algo entre 5 e 8 mil fraldas nos seus dois ou três primeiros anos.

 Em tese, o conceito é simples. A mãe deve prestar atenção a indícios de que o bebê está em vias de se aliviar, como uma agitação súbita ou uma careta. Ela deve então suspendê-lo sobre o vaso sanitário ou um penico e dar um assobio ou emitir algum outro código, que a criança entenderá como um sinal verde para fazer suas necessidades ali. Evidentemente, esse sistema tão pavloviano, batizado de Higiene Infantil Natural, depende de uma mãe permanentemente presente e atenta, já que a seqüência se repete ao menos 10 vezes ao longo do dia. Resta saber se sobrará tempo para que a mãe vigie o consumo de água da família e revire o mercado atrás de madeira certificada. Ou faça qualquer outra coisa.

http://www.akatu.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1641&sid=84&\tpl=view_tipo4.htm

%d blogueiros gostam disto: