• Instagram

    Mais um pronto (falta forrar, claro)! Tapetes de atividades para bebês brincarem.  #tapetedeatividades  #tapeteinfantil #patchwork #patchaplique  #ciadasmaos #natalluzgramado #compredequemfaz #go +1 projeto na mesa... Corta recorta junta separa, quase quase! Tapete de atividades 😄😛🤗
#ciadasmaos #tapetedeatividades #artesanato #patch #patchwork  #natalluzgramado #compredequemfaz Mobile para bebê conforto. Done! Turma do Mogli, preparando-se para viajar por aí, muitas histórias contar e sorrisos cativar😍 Só agradeço! 
#fantochesdefeltro #ciadasmaos #artesanato #teatrodebonecos Olhinhos curiosos vão se encantar! Primeiro móbile, pronto! #ciadasmaos #mobile #feltro #artesanato Gnomos fantoches! Prontinhos 😍
#gnomos
#fantoche
#boneco
#teatrodebonecos 
#ciadasmaos Zoiudas prontinhas! Pintando as pupilas! #cobra #bonecos #fantochedefeltro #ciadasmaos Fantoches! Cobra zoiuda! Produção a mil por aqui! Hora de enxergar, 
ganharão os olhos! 
#boneco
#fantoche
#puppet
#cobrazoiuda #cobra
#ciadasmaos 
#feltro
#teatrodebonecos
  • Quantas fraldas o Brasil descarta?

    Apenas 27% das crianças de 0-30 meses usam fraldas descartáveis, mesmo assim são descartadas:
    - 204 fraldas por segundo
    - 12. 240 fraldas por minuto
    - 734.400 fraldas por hora
    - 17.625.600 fraldas/DIA
  • Trocar 5500 fraldas DESCARTÁVEIS x 40 fraldas de PANO, é viável?

    Minha intenção com este blog é divulgar informações, dados, estatísticas a respeito do uso de fraldas. Quais são os impactos do uso de fraldas descartáveis? Quais são as desvantagens do uso de fraldas de pano? Viabilidade, sustentabilidade, impacto ambiental. O que pesa mais? Um lixão sobrecarregado de fraldas a céu aberto ou um sistema de águas sobrecarregado de água, sabão e dejetos fecais?

Para criar um bebê só é preciso senso comum

http://www.paisefilhos.pt/index.php/destaque/5427

Para criar um bebê só é preciso senso comum! Dr. Carlos Gonzalez

Para criar um bebê só é preciso senso comum! Dr. Carlos Gonzalez

pediatra espanhol Carlos González, autor do livro Bésame Mucho, regressou a Portugal, a convite do projeto Mamar ao Peito, para uma conferência sobre amamentação. Em entrevista à Pais&filhos, falou dos temas que mais preocupam os pais. Basta ouvi-lo, lê-lo, para se ficar com a impressão de que ter filhos é a coisa mais fácil do mundo.

Porque é que as crianças resistem tanto ao sono? Porque é que tantas vezes não querem dormir?

A minha teoria é que os bebés, na nossa sociedade, têm medo de ficarem sozinhos. A maioria das mulheres do mundo anda com os filhos às costas todo o dia. A nós, europeus, custa-nos compreender que somos muito poucos e que, na maior parte do mundo, não é como nós fazemos. Na maior parte do mundo, os bebés andam às costas da mãe durante todo o dia e dormem com a sua mãe à noite. Para os bebés africanos ou peruanos, que andam nas costas da mãe todo o dia, é igual estarem a dormir ou estarem acordados, porque adormecem e acordam e continuam junto da sua mãe. Mas, na nossa sociedade, assim que o bebé adormece pomo-lo no berço. Então, os bebés europeus passam várias vezes por dia pela experiência de que estão com a sua mãe quando adormecem e quando acordam estão sozinhos. E eu penso que chegam à conclusão de que é melhor não dormirem. Porque, senão, a mãe vai embora.

Há muitas críticas ao co-sleeping. Que prejudica a autonomia da criança, que estraga o casamento…

Se não prejudica o marido, não vai prejudicar o bebé. Há muitas mulheres que dormem com os seus maridos e isso não prejudica a sua independência, o seu crescimento, não acontece nada.

Mas não pode prejudicar a relação?

Todos os nossos avós dormiam com os filhos e tinham muitos mais filhos do que agora… De alguma maneira se consegue.

(abre o livro de Fernando Pessoa e lê)

“Quando eu morrer, filhinho,/Seja eu a criança, o mais pequeno./Pega-me tu ao colo/E leva-me para dentro da tua casa./Despe o meu ser cansado e humano/E deita-me na tua cama./E conta-me histórias, caso eu acorde,/Para eu tornar a adormecer./E dá-me sonhos teus para eu brincar/Até que nasça qualquer dia/Que tu sabes qual é.

Isto era o normal em 1914.    Continue lendo

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: